Desparecimento misterioso de insetos pelo mundo preocupa cientistas

Muitos estudos já concluíram que o mundo dos insetos está em “crise” em todo o planeta. Um novo relatório sugere que o problema é mais difundido do que se imagina. Um grande número de insetos desapareceu em uma floresta em Porto Rico, assim como os animais que comem tais insetos.

No ano de 2014 uma equipe de biólogos estimou que, nos últimos 35 anos, o número de invertebrados, como besouros e abelhas, diminuiu em 45%. Em locais onde dados de insetos de longo prazo estão disponíveis, principalmente na Europa, o número de insetos está em queda.

Já um estudo feito em 2017 mostrou uma diminuição de 76% em insetos voadores nas últimas décadas em reservas naturais da Alemanha. O último relatório, publicado no Proceedings of National Academy of Sciences, mostra que esta surpreendente perda de abundância de insetos se estende às Américas.

O misterioso desaparecimento de insetos ao redor do mundo

Os autores do estudo implicam a mudança climática na perda de invertebrados tropicais. “Este estudo é um verdadeiro alerta – um toque de clarim – de que o fenômeno poderia ser muito, muito maior e atravessar muitos outros ecossistemas”, disse David Wagner, especialista em conservação de invertebrados da Universidade de Connecticut (ele não está envolvido no estudo).

Bradford Lister, biólogo do Rensselaer Polytechnic Institute em Nova York, estuda insetos da floresta tropical de Porto Rico desde os anos 1970. Antigamente a floresta era repleta de pássaros, borboletas, sapos e lagartos. Depois de voltar na mesma floresta 40 anos depois, ele não gostou do que viu. Lister disse que tudo era abundante na floresta e agora tudo parece ter desaparecido.

Junto com seu colega Andrés García, ecologista da Universidade Nacional Autônoma do México, eles foram medir os insetos da floresta e invertebrados. Os pesquisadores colocaram placas com uma cola pegajosa no chão para prender os animais e usaram outras técnicas parecidas.

Cada uma das técnicas revelou que a biomassa (o peso seco de todos os invertebrados capturados) diminuiu significativamente de 1976 até os dias atuais. A varredura da biomassa da amostra diminuiu para um quarto ou oitavo do que era. Entre janeiro de 1977 e janeiro de 2013, a taxa de captura nas armadilhas terrestres pegajosas caiu 60 vezes.

O fato é que tanto os insetos, quanto as rãs, pássaros e lagartos (que comem os insetos) estão desaparecendo. Já uma certa espécie de pomba, que se alimenta de frutas e sementes, não teve mudança populacional. Um pássaro verde brilhante chamado de porto-riquenho , que come insetos quase que exclusivamente, diminuiu 90%.

Lister e Garcia atribuem essa falha ao clima. No mesmo período de 40 anos que o choque de artrópodes, a temperatura média alta na floresta tropical aumentou em 2,2 graus Celsius.

O que está causando a diminuição dos insetos?

Uma análise recente de mudanças climáticas e insetos prevê uma diminuição nas populações de insetos tropicais. Em regiões temperadas mais distantes do equador (onde os insetos podem sobreviver a temperaturas mais amplas), as pragas agrícolas devoram os alimentos à medida que seu metabolismo aumenta. Porém, depois de um certo limite térmico, os insetos não colocam mais ovos.

Já outro estudo, feito em 2017 de insetos voadores desaparecidos na Alemanha, sugere outros possíveis culpados, incluindo pesticidas e perda de habitat. Artrópodes em todo o mundo também precisam lidar com patógenos e espécies invasoras. Outra possível causa pode ser a seca e a falta de chuva.

Lister diz que desde 1969 o uso de pesticidas caiu mais de 80% em Porto Rico. Ele não sabe o que mais poderia ser culpado a não ser as mudanças climáticas. Seja lá qual for a causa pela qual esses insetos estão desaparecendo, o fato é que precisamos ficar em alerta. Só para vocês terem uma ideia, 35% das plantas do mundo requerem polinização por abelhas, vespas e outros animais. E os artrópodes fazem isso muito bem.

Ao que tudo indica, um planeta de nosso sistema solar pode ter sido destruído

Em 2008, nosso planeta foi atingido por um meteorito. Ele teria caído no deserto do Sudão em 7 de outubro de 2008, disparando muitas rochas espaciais. Um telescópio o acompanhou enquanto atravessava quilômetros de nitrogênio, oxigênio e dióxido de carbono de carbono. Além disso, seu exterior aquecia enquanto ele viajava pelo ar denso.

Leia mais

7 descobertas científicas de 2017 que podem mudar o rumo da história

Chegou o fim de ano e é tempo de fazer as famigeradas retrospectivas. É sempre bom colocar na balança tudo aquilo que aconteceu de bom e ruim, na intenção de tentar melhorar no ano que está por vir. Mas e no campo da ciência? Também é possível fazer isso? Claro que sim! Certamente este foi um ano de grandes descobertas científicas! Teorias revolucionárias foram comprovadas, bem como a detecção de novas possibilidades para pensarmos em 2018.

Leia mais