7 maneiras de se evitar as principais causas de morte

Falar de morte em si, já pode ser um episódio traumático. Quase sempre fugimos do assunto, fingimos esquecer e nos convencemos de que somos imortais. Mas uma coisa é fato: se você nasceu e está lendo isso – e eu espero que você seja uma pessoa de carne e osso literalmente -, você vai morrer. E o pior é que isso pode acontecer a qualquer momento. Pode ser hoje, quando você sair do trabalho, daqui uma semana na casa do seu namorado (a), ou quando estiver bem velinha (o).

Diabetes Tipo 2

Sabe aquela rosquinha bem melecada que você comeu hoje no café da manhã? E aquela coca gelada no almoço? E, provavelmente, aquela barra de chocolate que vai comer no fim do dia? Tudo isso pode estar te matando. A diabetes é a sexta doença que mais mata no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Se a Tipo 1 é mais rara, pois até hoje não descobriram as causas, a Tipo 2 cresce cada vez mais. Talvez, você devia saber que mudando a alimentação para saudável e começando a praticar exercícios físicos, você pode evitar isso. Diga adeus para a Coca-Cola.

Alzheimer

A única maneira de prevenir a doença de Alzheimer, é não envelhecendo. Acontece que para não envelhecer, você precisa morrer jovem, e isso vai totalmente contra tudo aquilo que estamos defendendo nessa lista. Então, meu querido amigo, aqui nós estamos pisando em ovos. Apesar de não existirem provas concretas, já se notou que quem desenvolve Alzheimer, provavelmente, teve problemas cardiovasculares durante a vida. Então para você diminuir suas chances, tente fazer um bom acompanhamento médico e manter hábitos saudáveis para reduzir os problemas ligados ao coração – os literais pelo menos.

AVC

O AVC é uma das coisas mais temidas pelo ser humano. Ele não tem aviso, simplesmente vem, abre a porta, e simplesmente te destrói. Ele está muito relacionado a genética e idade, ou seja, cada vez mais velho, mais chances de ser atacado pelo mal. Mas sabe como evitar isso? Previna-se de problemas cardiovasculares, que estão extremamente ligados ao AVC. Sabe como você pode fazer isso? Sinto muito, mas novamente vou ter que dizer: largue a Coca-Cola e vá correr.

Acidente de trânsito

Por mais que você coma bem, faça exercícios e diminua seus riscos de diabetes, Alzheimer e AVC, você ainda não está imune aos acidentes de trânsito. Apesar de não ser totalmente inevitável, você pode se prevenir de algumas formas. Sendo bem sincero, não seja estúpido no trânsito. Dirija com cuidado, não use o celular e não beba antes de pegar no volante. Além disso, nada de brigas no trânsito, viu? Se quer enganar a morte, vai precisar fazer isso.

Doenças respiratórias

Por incrível que pareça, se você quer desfrutar da vida por muito mais tempo, vai precisar de ar fresco. Doenças respiratórias são uma das principais causas de morte pelo mundo. Sabe o que causa isso? Poeira, poluição e afins. Na maioria das vezes, não dá para evitar o ar da cidade, mas existe algo que você pode fazer. Pare de fumar ou de ficar perto de quem está fumando.

Câncer

Câncer. Você já percebeu como essa palavra assusta? Se você nunca teve câncer, provavelmente conhece alguém que teve, e até, alguém que morreu por isso. Se você é homem, tem 40% de chances de ter câncer, e se é mulher, 38%. Para diminuir os seus riscos, nunca mais compre cigarro, faça a matrícula na academia, compre mais saladas, use protetor solar, não consuma bebidas alcoólicas, use camisinha e se vacine contra a hepatite B. Essa regras vão diminuir suas chances de ter quase todos os tipos de tumores.

Doenças cardiacas

Por incrível que pareça, a doença que mais mata no mundo são as cardíacas. Se você foi atento, percebeu que problemas cardíacos estavam muito presentes em quase todos os outros tópicos anteriores. Problemas de coração são consequência do cigarro, do álcool, da comida e das horas seguidas que você passa em frente a televisão. Então, essa é a última vez que eu vou falar: pare de comer, beber, fumar e vá correr, comer salada e beber suco de laranja. Tudo bem, uma cerveja ou um vinho de vez em quando não vai lhe matar.

Doença cardíaca, diabetes, sedentarismo ou fumo? Qual é o mais perigoso para sua saúde?

Todo mundo sabe quais são os “macetes” para ser saudável. Não fumar, estar em forma, comer bem, praticar exercícios e ter uma boa noite de sono. O cigarro, por exemplo, é um vício que mata milhões de pessoas. Muitos pensam que ser saudável é apenas não ter nenhuma doença séria, mas na verdade é muito mais que isso.

Mas o que pode ser mais perigoso para a nossa saúde: diabetes, doença cardíaca, sedentarismo ou fumar? Muitos dirão que a resposta é óbvia, mas é aí que vocês se enganam. Estamos falando isso porque um estudo recente afirmou que não se exercitar pode ser mais prejudicial à saúde do que fumar, por exemplo. Será mesmo? A gente conta mais detalhes sobre esse estudo para vocês.

Diabetes, doença cardíaca, sedentarismo ou fumar, qual é mais perigoso?

Depois de estudarem 122.007 pacientes, entre 1991 e 2014, os pesquisadores da Cleveland Clinic chegaram a uma conclusão inesperada. Eles fizeram testes em esteira nos pacientes e, posteriormente, registraram as taxas de mortalidade. Foi descoberto uma conexão clara entre uma vida mais longa e saudável e altos níveis de exercícios físicos.

No estudo, foi declarado o seguinte: “A aptidão cardiorrespiratória está inversamente associada à mortalidade a longo prazo, sem limite superior de benefício observado. Aptidão aeróbica extremamente alta foi associada com a maior sobrevida e foi associada ao benefício em pacientes idosos e naqueles com hipertensão”.

Mesmo que seja amplamente entendido que um estilo de vida ativo pode nos levar a ter uma vida saudável, o estudo concluiu que um estilo de vida sedentário é o mesmo que ter uma doença grave e a cura mais simples, obviamente, é o exercício. Dr. Wael Jaber, coautor do estudo, disse que os resultados são surpreendentes.

“Não se sair bem em uma esteira ou em um teste de esforço físico tem um pior prognóstico do que ser hipertenso, ser diabético ou mesmo ser fumante. Nunca vimos algo tão pronunciado e objetivo quanto isto”, disse Jaber.

Os pesquisadores também estudaram o risco de ser superativo e descobriu que os exercícios “ultra” não enfrentam maior risco de morte. Segundo a pesquisa, quanto mais uma pessoa pratica exercícios, menores são as taxas de mortalidade.

Os benefícios do exercício foram vistos em todas as idades, tanto em homens, como em mulheres, “provavelmente um pouco mais pronunciado em mulheres”, disse Jaber. “Seja nos seus 40 ou 80 anos, você se beneficiará da mesma maneira”.

O que podemos concluir com isso? Não adianta não fumar ou mesmo não ter uma doença grave, é preciso praticar exercícios para sermos mais saudáveis.