Revelado o mistério por trás da Cachoeira de Sangue da Antárdida

cachoeira de sangue

A Cachoeira de Sangue da Antártida fica no sudoeste, na Geleira Taylor, ela é conhecida desde 1911, por causa do líquido vermelho que escorre dela e que ninguém sabia do que se tratava… até hoje.

Alguns pensaram em algas, mas a verdade é que o vermelho é resultado de uma salmoura rica em ferro, em outras palavras, o que vemos é como uma “água enferrujada”, segundo os pesquisadores da Universidade do Alaska Fairbanks, a água vem de um pequeno lago de água salgada que fica exatamente em baixo da geleira. Eles afirmam que a água do lago é tão salgada que não congela em temperaturas normais e raspa o ferro das rochas no caminho até a “Cachoeira de Sangue”. Estima-se que esse lago pode estar em baixo da geleira há um milhão de anos.

A “Cachoeira de Sangue” foi descoberta por um geocientista inglês chamado Thomas Griffith Taylor há mais de cem anos atrás, e ele afirmava que a coloração da água era consequências das algas. No ano de 2009, pesquisadores descobriram também que o local tem um complexo ecossistema composto por micro-organismos que se alimentam de ferro e enxofre, mas até então, ninguém sabia a explicação exata para a coloração vermelha da água.

Para desvendar esse mistério, os especialistas usaram um tipo de radar para salmoura responsável pela coloração da água. “Movimentamos antenas pela geleira em um padrão gradeado para conseguirmos “enxergar” o que havia abaixo do gelo, da mesma forma que um morcego usa a ecolocalização para “ver” o que há ao seu redor”, declarou Christina Carr, a coautora do estudo. “Embora pareça contra intuitivo, a água libera calor enquanto esfria, aquecendo o gelo nas proximidades”, completou Christina.

Também foi descoberto que é possível existir água em estado líquido dentro de uma geleira muito fria, o que se pensava ser impossível.

Gabriel

Analista de sistemas que gasta todo o seu tempo disponível em blogs, por ser o que realmente ama. Estarei sempre trazendo as novidades do mundo e disponibilizando na web para todos os usuários assíduos do Samurai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *