Um vírus raro e sem cura está se alastrando pela Índia

Os surtos causados por doenças podem ser realmente perigosos para a humanidade e, por isso, devem ser de extrema prioridade. E, recentemente, essa acabou se tornando uma realidade para a população ao sul da Índia. Afinal, o local está passando por uma epidemia que já trouxe pelo menos 9 pessoas a óbito. Se tornando fatal para uma média de 40% a 75% dos infectados no surto. O que tem gerado preocupações.

O vírus chamado Nipah, que pode ser transmitido pelos morcegos, só foi descoberto como sendo um problema para os seres humanos a cerca de 20 anos. Momento em que acabaram descobrindo que o animal poderia transmiti-lo para outras espécies, como os porcos e os humanos, por exemplo. Mas, ainda assim, foi agora que ele realmente chamou a atenção. Afinal, as estatísticas acabaram fazendo com que ele fosse listado como prioridade de pesquisa na Organização Mundial de Saúde – juntamente com a Ebola SARS. Além disso, o vírus também pode ser transmitido de pessoa para pessoa.

O surgimento da doença

O vírus Nipah acabou sendo vista pela primeira vez em 1998, na Malásia. Na época, 265 pessoas acabaram sendo infectadas por uma doença diferente das outras. Ela acabou causando encefalite e até mesmo inflamação no cérebro daqueles que a contraíram. E, aparentemente, ela estava sendo transmitida quando as pessoas entravam em contato com porcos ou pessoas contaminadas. O surto, infelizmente, acabou resultando na morte de 105 pessoas – cerca de 40% dos infectados.

Desde a sua primeira aparição, o vírus acabou resultando em alguns surtos espalhados pela Índia e Bangladesh. Reunindo, juntos, cerca de 280 infectados e 211 mortos – subindo a porcentagem para 75%.

Precauções tomadas

Quando tudo começou, por acharem que a transmissão estava acontecendo por conta dos porcos, as autoridades locais acabaram matando cerca de 1 milhão de porcos. A ação foi feita por acreditarem que isso iria ajudar a diminuir a transmissão da doença. Mas, ainda assim, as coisas acabaram mudando com o tempo. Os pesquisadores que trataram do assunto acabaram descobrindo que, na verdade, algumas espécies de morcegos frutíferos eram o seu hospedeiro natural.

Além disso, os especialistas acabaram identificando outras causas da transmissão. Aparentemente, algumas pessoas estavam sendo infectadas ao beberem ‘seiva de tamareira‘. Isso porque, em algum momento, elas teriam sido contaminadas pelos morcegos.

Os casos

Novamente, nos casos mais recentes, os alimentos parecem estar funcionando como uma forma de transmissão. A BBC afirmou que um dos últimos registrados, que resultou na morte de 3 pessoas, teria acontecido devido o consumo de mangas contaminadas. A fruta, que havia sido mordida pelo animal, foi encontrada na casa em que essas pessoas moravam. Além disso, depois de um estudo ser realizado para entender melhor a transmissão do vírus, os pesquisadores acabaram descobrindo que a saliva das pessoas contaminadas pode ser um dos transmissores.

Aqueles que são infectados pelo vírus Nipah podem ter uma série de sintomas, dependendo do surto. Podendo começar com febre dor de cabeça e passando para uma espécie de sonolência e confusão. Entretanto, em outros casos, os pacientes acabaram tendo problemas respiratórios similares ao da gripe, chegando a evoluir para o coma em apenas alguns dias – 1 ou 2. Outro ponto preocupante é que, aqueles que sobrevivem ao início da infecção, podem acabar com problemas de saúde persistentes ou mesmo permanentes.

Alguns chegam a sofrer alterações em sua personalidade e a manter uma certa frequência de convulsões. Além disso, pessoas ‘curadas’ acabaram tendo o vírus reativado depois de meses ou mesmo anos depois de serem expostos a ele. O que acaba fazendo com que eles adoeçam e até venham a óbito.

Gabriel

Analista de sistemas que gasta todo o seu tempo disponível em blogs, por ser o que realmente ama. Estarei sempre trazendo as novidades do mundo e disponibilizando na web para todos os usuários assíduos do Samurai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *