Será que conseguimos sentir quando alguém nos olha fixamente?

Se você clicou nesta matéria, já sabe exatamente do que estamos falando. Você está concentrado em alguma tarefa e tranquilo com seus próprios afazeres quando parece que algo estranho está acontecendo. Você não sabe bem dizer o que, mas parece que algo está te atingindo.

Diante da sensação estranha, você decide dar uma pausa no trabalho e olhar ao redor para entender o que está acontecendo, quando encontra a resposta: alguém está olhando fixamente na sua direção.

Você certamente já passou por isso, mas como você poderia perceber que alguém está te olhando, se estava fazendo outra coisa?

A ciência tenta explicar esse estranho “sexto sentido” há anos e, até agora, os resultados sugerem que a habilidade pode ter relação a uma extensa rede neurológica.

Além disso, a evolução do olho humano e da visão, aliada à evolução das habilidades de comunicação e instintos de defesa e proteção também podem ajudar a explicar o fenômeno.

Quando nossos olhos são comparados com os de outros animais, fica fácil perceber que a parte branco do olho – chamada esclera – é bem maior em nossa espécie. Nas outras criaturas, esconder essa parte ajuda a não chamar a atenção para o olhar claro das presas, bem como não deixar clara a direção em que predadores estão olhando.

Já nos humanos, a parte branca permite determinar a direção em que estamos olhando com facilidade. Basta você reparar no olhar de uma pessoa para dizer se ela está direcionando a visão para direita, esquerda, em cima ou embaixo.

A evolução do olhar, da percepção de da comunicação já avançou tanto nesse sentido, que mesmo se não estivermos olhando diretamente para alguém, conseguimos perceber esses indícios por meio da visão periférica, considerando posição da cabeça e ângulo do corpo de quem está ao nosso redor.

Em casos que temos dúvidas sobre isso, o cérebro costuma determinar que somos o alvo do olhar, o que pode explicar a sensação (e todas aquelas vezes em que você cumprimentou alguém que não olhava para você por engano).

Segundo o professor de psicologia da Universidade de Sidney, Austrália, Colin Clifford, nós prestamos atenção a esse olhar em nossa direção porque precisamos nos proteger de possíveis ameaças. “Presumir que a outra pessoa está olhando para nós pode ser a melhor estratégia”, explica o professor.

Além disso, os humanos costumam ser sensíveis aos olhares dos outros porque nós dependemos da interação com outras pessoas para coordenar trabalhos, realizar comunicação efetiva e perceber más intenções. Exatamente por conta disso, biólogos acreditam que a parte branca de nossos olhos evoluiu para valorizar essas habilidades.

Mesmo que a gente tenha dominado a língua falada, o ditado já diz que um olhar vale mais que mil palavras, e isso é verdade no sentido biológico. Por vezes, um olhar envia sinais que a língua não consegue, além de permitir troca de informações de maneiras rápidas e discretas.

Além desses indícios que mostram que a suspeita de um sexto sentido não seja real, um estudo publicado pela Current Biology, em 2013, explica que os humanos já possuem uma predisposição a pensar que alguém está olhando diretamente, mesmo que não existam sinais disso. Por isso, quando sentimos o olhar e nos direcionamos para a direção dele, podemos fazer com que a pessoa realmente olhe para nós. Nesse momento, os dois irão acreditar que estavam sendo olhados antes do movimento inicial.

Existe também o que é chamado de viés de confirmação, que significa que nós só lembramos das vezes em que sentimos o olhar e realmente encontramos alguém nos encarando, esquecendo das outras vezes. É como você dizer que sempre que lava o carro chove, pois não armazena memórias das vezes em que choveu sem ter levado o carro, ou que lavou e não houve chuva.

Gabriel

Analista de sistemas que gasta todo o seu tempo disponível em blogs, por ser o que realmente ama. Estarei sempre trazendo as novidades do mundo e disponibilizando na web para todos os usuários assíduos do Samurai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *