Conheça a tatuagem temporária que é feita a partir de células vivas!

As pessoas tem um receio em fazer tatuagens pelo fato de que seja algo permanente, deixando muitas pessoas com medo de se arrepender depois. Mas e se existisse uma tatuagem temporária? Não estamos falando daquelas tatuagens de chiclete que você usava quando era criança, e muito menos tatuagens de rena. Na verdade, estamos falando de uma tatuagem que além de ser temporária, é feita de células vivas. Ficou confuso? A gente explica melhor para vocês.

 Tatuagem temporária impressa em 3D com tinta viva

Alguns engenheiros do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) conseguiram desenvolver uma tatuagem temporária, impressa em 3D e com tinta viva. Mas, como assim tinta viva? Bom, a tinta usada é feita de células bacterianas geneticamente programadas para “aparecer” em certos tipos de estímulos.

Mas não se engane se você está pensando em questão de estilo ou moda. O Advanced Materials descreve essa tatuagem como uma espécie de sensor vivo ou um alerta. Imaginem essa tatuagem aparecendo quando você está exposto a poluentes ou toxinas perigosas. Será que seria útil?

O funcionamento dessa tecnologia é da seguinte forma: primeiro as células bacterianas são programadas para reagir a diferentes compostos. Elas são misturadas com hidrogel e nutrientes para alimentação celular, formando uma tinta.

Com uma impressora 3D são feitas várias camadas de tinta em uma faixa transparente, formando um dispositivo interativo vivo e tridimensional. No exemplo da foto, cada “galho” da árvore é feito de células sensíveis a uma substância diferente. Colocando a tatuagem na pele, diferentes regiões acendem quando expostas a um certo composto.

Essa inovação pode ser usada para detectar poluentes, mas também mudanças de temperatura e nível de pH, por exemplo. Também é pensado que poderia ser útil para fabricar cápsulas de remédio com células projetadas para produzir compostos como a glicose. No caso da glicose, ela poderia ser liberada terapeuticamente ao longo do tempo. E quem sabe se um dia essa mesma tecnologia pudesse formar a base para computadores “vivos”? O vídeo abaixo (que está em inglês) conta um pouco mais sobre o caso.

Enquanto esse tipo de tatuagem não está na moda, nós vamos nos contentando com as que nós temos. Você usaria uma dessas?

Gabriel

Analista de sistemas que gasta todo o seu tempo disponível em blogs, por ser o que realmente ama. Estarei sempre trazendo as novidades do mundo e disponibilizando na web para todos os usuários assíduos do Samurai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *