As 7 regras mais bizarras e nojentas da Idade Média

Existem muitos filmes e séries por aí que se passam em eras medievais. Grande parte deles costuma retratar seus personagens como pessoas elegantes e cordiais, sendo poucos aqueles apresentados com comportamentos mais ásperos. Claro, uma visão bem romantizada do período.

A verdade é que a Idade Média foi marcante no quesito grosseria, falta de educação e descuidos com a higiene pessoal. Um assunto muito frequente entre os historiadores reflete o banho das pessoas naquela época. Sim, isso porque acredita-se que tomavam apenas um por ano!

A questão é que sempre existe essa dualidade sobre o período. Muitos historiadores insistem em frisar que não foi uma época tão ruim quanto pensamos, sendo ainda caracterizado por muita elegância. Por outro lado, o que mais prevalece é o atraso, pobreza e arbitrariedade religiosa que dominava tudo e todos, tanto que existiam algumas regras que eram muito bizarras.

O sistema penitenciário era horrível

Se você por acaso desse o azar de ser preso na Idade Média, com certeza sofreria horrores. A situação não era nada civilizada e não havia liberdade em grau nenhum… Com certeza seria o inferno. As prisões foram as primeiras masmorras da história. Um prisioneiro não recebia água ou comida por dias, passando todo seu tempo amarrado na cela por correntes e máscaras de ferro. Vale lembrar, claro, que não tinham direito de ver o sol e manter contato com pessoas. Muitos acabaram morrendo doentes ou apenas de fome.

Os cemitérios iam além…

Na Idade Média um cemitério não era apenas um lugar para depositar os mortos. Na verdade, acontecia de tudo no lugar… Desde eleições, até peças teatrais. Acredite se quiser, mas também era um local bastante propício para que prostitutas atendessem seus clientes. De acordo com o historiador Philippe Aries, também eram lugares para  atividades comerciais. Como pertenciam à igreja, não precisavam pagar impostos.

Casamento sem permissão do mestre

Isso apenas solidifica o fato de que a hierarquia era algo muito forte na Idade Média. Existia uma lei que atingia todos aqueles em classes sociais mais baixas. Você poderia se meter em graves problemas caso fosse um camponês trabalhando para um mestre e se casasse sem pedir permissão. Pior ainda para uma mulher… Se ela ficasse viúva, deveria escolher um novo marido em um tempo muito curto. Caso não conseguisse ou não colaborasse para isso, o novo marido seria escolhido pelo mestre e ela ainda sofreria punições.

As “boas maneiras” em um jantar

Um jantar na Idade Média era algo realmente estranho e nojento. Para começar, vale lembrar que segurar uma colher por muito tempo era sinal de falta de respeito. Mas vamos ao que realmente interessa. Segundo historiadores, caso você sentisse vontade urinar, deveria se retirar da mesa e procurar por um lugar ao lado de fora da casa. A não ser que você fosse o anfitrião… Nesse caso, poderia urinar no chão do lugar em que estavam fazendo a refeição. O nobre também podia arrotar, soltar gases, e até defecar… Bizarro, não?

Pessoas com problemas mentais eram totalmente desprezadas

Se alguém nascesse com problemas mentais ou viesse a desenvolvê-los mais tarde, com certeza seria algo bastante ruim. Pessoas com tais problemas eram flageladas com chicotes, para “aprenderem” a se comportar como alguém normal, e em forma de punição aos seus atos consequentes da doença. Tempos realmente sombrios…

A medicina se baseava em superstições

A medicina durante a Idade Média era algo praticamente inexistente, com algumas técnicas consideradas mais aceitas. No entanto, isso não livra o fato de serem completamente bizarras. Além de usar sanguessugas como tratamento, se baseavam muito na astrologia e em outras teorias bizarras. Acreditavam que a sangria era realmente o melhor método para toda enfermidade. Desta forma, se o corpo se livrasse de todo aquele “sangue ruim”, as doenças seriam retiradas do organismo da pessoa.

Animais eram condenados por crimes

Embora seja algo completamente estranho aos nossos olhos, era comum que animais da Idade Média sofressem algum tipo de condenação por maus atos. De acordo com as leis do período, os animais poderiam ser julgados e condenados por crimes. Muitos cães de fazenda passaram por isso, depois que de alguma forma, acabaram ferindo ou matando seus donos.

Gabriel

Analista de sistemas que gasta todo o seu tempo disponível em blogs, por ser o que realmente ama. Estarei sempre trazendo as novidades do mundo e disponibilizando na web para todos os usuários assíduos do Samurai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *